20 de fevereiro de 2011

Tempo...


Nossa!
Outro dia parece que estive aqui
E meses se passaram
Como a roda do tempo nos engole
Nos traga fundo em sua imensurável sina,
Nos levando à velhice lépida
e não tão fagueira.
Enfim
nós
meros e simples mortais
é o que
fizemos 
por
merecer.
Ao da fruta proibida
No paraíso comer.
Ao cabo desse breve
e infeliz momento terreno
teremos alcançado
o término de
nossa fatura.
Quitada com ferro e fogo,
que Deus nos imputou.
Quisera eu,
simples mortal,
fazer jus ao que 
Ele
e apenas Ele
determinou.
Não me permitais
que me desvie
do que a mim
destinou, ò Pai.
Permita que 
semei luz onde houver
trevas;
que leve carinho a
quem chora;
que leve graça
a quem sente dor.
Que permita que ame
como
amado 
sou.
Me faça valer a pena ò Pai.
Que meu tempo
não
continue
a ser desperdiçado
por bobagens.
Não me deixe
ferir e nem magoar
que amo,
antes disso
me leve de volta a seu colo,
mesmo que meu tempo
ainda esteja devedor.
É apenas
o que 
te peço hoje.
faça-me valer
à pena.
Por mim,
por eles,
por ela.

2 comentários:

Carmem disse...

Tenho andado distraído,Impaciente e indeciso,
E ainda estou confuso.
Só que agora é diferente:
Estou tão tranqüilo
E tão contente.
Quantas chances desperdicei
Quando o que eu mais queria
Era provar pra todo o mundo
Que eu não precisava
Provar nada pra ninguém.
Me fiz em mil pedaços
Pra você juntar
E queria sempre achar
Explicação pro que eu sentia.
Como um anjo caído
Fiz questão de esquecer
Que mentir pra si mesmo
É sempre a pior mentira.
Mas não sou mais
Tão criança a ponto de saber Tudo.
Já não me preocupo
Se eu não sei porquê
Às vezes o que eu vejo
Quase ninguem vê
E eu sei que você sabe.
Quase sem querer
Que eu vejo o mesmo que você.
Tão correto e tão bonito:
O infinito é realmente
Um dos deuses mais lindos.Sei que às vezes uso
Palavras repetidas
Mas quais são as palavras
Que nunca são ditas?
Me disseram que você estava chorando
E foi então que percebi
Como lhe quero tanto.
Já não me preocupo
Se eu não sei porquê
Às vezes o que eu vejo
Quase ninguém vê
E eu sei que você sabe
Quase sem querer
Que eu quero o mesmo que você.

Renato Russo

Carlos!...

Todo o tempo que usamos para amar não é tempo perdido...

Beijo

Carlos Almo disse...

Não é mesmo gauchinha querida...Bjs.